Guerra e Economia: professor explica como o conflito afeta inflação e taxa de juros no Brasil - FECAP

Guerra e Economia: professor explica como o conflito afeta inflação e taxa de juros no Brasil

Professor da FECAP Ahmed El Khatib também analisa os efeitos da guerra na economia mundial  O...
Imprensa | 23/03/2022
Compartilhe:

Professor da FECAP Ahmed El Khatib também analisa os efeitos da guerra na economia mundial 

O atual conflito entre Rússia e Ucrânia tem impacto direto na inflação brasileira, que já está em um patamar muito elevado, o que pode elevar ainda mais a taxa de juros, que já teve reajuste para 11,75% na semana passada, maior patamar desde 2017. Quem afirma é o professor da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), Ahmed El Khatib. 

Ainda segundo o especialista, um segundo impacto direto, que tem sido percebido pelos brasileiros, é o aumento do preço internacional do petróleo, que chegou a atingir mais de US$ 120 na segunda quinzena do conflito. O mesmo ocorre com o preço do gás natural, produto que a Rússia é a maior produtora global, o que impacta o Brasil, pois usamos o gás natural para abastecimento de nossas termelétricas.  

“Além disso, pelo fato da Rússia e Ucrânia serem grandes produtores de trigo, teremos um comprometimento de nossa safra local. Somado a isso, temos o problema dos fertilizantes, uma vez que importamos 20% dos nossos fertilizantes do mercado russo. Dessa forma, teremos que buscar outros mercados, como o canadense, mas pagar um preço mais elevado por isso.”, acrescenta. 

PARA ONDE CAMINHA O ATUAL CONFLITO? 

Segundo Ahmed, o atual conflito entre Rússia e Ucrânia não pode, por enquanto, ser classificado como uma guerra de proporções globais, mas os efeitos econômicos, em função da acentuada globalização dos mercados, são percebidos em quase todos os países. 

“Tanto a Rússia quanto a Ucrânia são grandes produtores de alimentos. A Ucrânia é o maior produtor mundial de óleo de girassol, com a Rússia em segundo lugar, juntos eles respondem por 60% da produção global. Os dois países respondem ainda por quase 30% das exportações globais de trigo e o conflito faz com os preços continuem subindo nos mercados futuros internacionais.” 

Os suprimentos russos dessas commodities estão sendo restringidos por causa das sanções generalizadas (motivadas e conduzidas pelos Estados Unidos, mas que tem sido adotado por muitos países europeus) que dificultam a compra de seus produtos pelo resto do mundo. Já os suprimentos ucranianos foram interrompidos porque os combates fecharam todo o sistema logístico do país (portos, estradas e aeroportos). 

“Como não há nada a se fazer no curto prazo para ajustar à perda de oferta da Ucrânia e da Rússia, continuaremos a observar os preços subirem. O mesmo vale para o fornecimento de energia russo, e é particularmente prejudicial para a Europa Ocidental, onde os governos locais são dependentes de recursos fornecidos pela Rússia. Aproximadamente 40% da eletricidade da União Europeia vem de usinas de energia que queimam combustíveis fósseis, e a Rússia é a maior fonte desse petróleo e gás.” 

Caso o conflito se prolongue, Ahmed afirma que continuaremos sofrendo com os preços do petróleo, do gás natural, de grãos e do óleo de cozinha no Brasil. Além de pressionar a indústria do País por conta da alta do dólar, esse tempo adicional de guerra poderia gerar a escassez mundial de insumos, fazendo com que a economia brasileira pudesse sofrer com esse atual cenário. 

“Cabe destacar ainda que a confiança econômica pode ser afetada e se estender por mais alguns meses, a partir do tamanho da guerra, o que contribui para a redução das perspectivas acerca do crescimento econômico no País. Situação que fragiliza ainda mais o mercado nacional o que pode significar uma menor oferta de emprego, já que empresários e investidores estarão temerosos e podem adiar novos projetos ou a possibilidade de uma expansão.” 

EFEITOS MUNDIAIS 

A invasão da Ucrânia pelo presidente russo Vladimir Putin atraiu uma resposta sem precedentes dos Estados Unidos, Reino Unido, União Europeia (UE), Canadá, Japão, Austrália e outros países. Até a Suíça, famosa por sua neutralidade nos últimos 200 anos e sigilo bancário, prometeu impor sanções à Rússia. 

Sanções anunciadas na semana passada impediram os dois maiores bancos da Rússia, Sberbank e VTB, de negociar em dólares americanos. O Ocidente também removeu sete bancos russos, incluindo o VTB, do Swift, um serviço global que conecta instituições financeiras e facilita pagamentos rápidos e seguros. 

No entanto, a economia da Rússia é importante para o resto do mundo por causa de seus vastos recursos energéticos. 

“As exportações de petróleo e gás do país não têm sido um alvo direto dos governos ocidentais, mas isso não impediu que os preços subissem nos últimos dias. O petróleo russo, no entanto, está sendo negociado com o maior desconto em mais de 30 anos e se a guerra persistir podemos ter consequências ainda maiores.” 

O especialista acrescenta ainda que caso tenhamos mais semanas ou até mesmo meses de conflito, grandes aumentos de preços tornarão o combustível mais caro em todo o mundo, elevando o custo de viagens e deslocamentos. 

“Também deve aumentar a inflação e pode atuar como um empecilho para o crescimento econômico, revivendo os temores dessa inflação e complicando as decisões dos bancos centrais globais que buscam combater o aumento dos preços.” 

GUERRA E ECONOMIA 

Para Ahmed, as consequências de uma guerra, sobretudo em escala global, normalmente são negativas para a maior parte dos países. Por exemplo, a Primeira Guerra Mundial (conflito bélico global centrado na Europa, que começou em 28 de julho de 1914 e durou até 11 de novembro de 1918) teve como consequências imediatas a morte de 8 milhões de pessoas (1,9 milhões na Alemanha, 1,7 milhões na Rússia, 1,4 milhões na França, 1 milhão na Áustria-Hungria e 760 mil na Inglaterra). 

Além das perdas de vidas e dos 20 milhões de inválidos e feridos, as consequências econômicas se mostraram igualmente devastadoras, fazendo com que muitos países ingressassem em anos de recessão. Em termos econômicos, a Europa ficou completamente desorganizada, com graves problemas no setor agrícola e industrial.  

Os grandes beneficiários (o que explica que as guerras normalmente, mas nem sempre causam efeitos negativos a todos os países envolvidos) desta situação foram os Estados Unidos e o Japão. No caso do Japão, o país pôde beneficiar do afastamento dos tradicionais concorrentes europeus, o que permitiu o estímulo e a diversificação da sua indústria. 

“Os Estados Unidos lucraram também, pois viram as suas reservas de ouro duplicar, ficando nas suas mãos cerca de metade do ouro disponível a nível mundial. Este poderio econômico permitiu ao país substituir pouco a pouco a preponderância financeira dos europeus, em particular na América do Sul.” 

Já a Segunda Guerra Mundial, lembra o professor, fez cerca de 60 milhões de mortos, metade dos quais civis. Para além da destruição de vidas humanas e da destruição massiva de quase todas as estruturas produtivas europeias, este conflito mundial provocou a derrocada dos valores da civilização ocidental, questionados por esta onda de violência sem precedentes. Era muito difícil superar o terrível clima de terror, que culminou com a utilização da mais destruidora de todas as armas, a bomba atômica, ainda hoje polêmica, e conheceu o horror dos horrores com a “Solução Final” nazi, que foi o Holocausto. 

Com o final da guerra a tragédia não acabou; havia aproximadamente 20 milhões de deslocados, que levantavam questões de repatriamento; a economia da Europa estava arrasada; e os países de Leste dominados pelas forças hitlerianas passaram a estar sob o domínio de regimes totalitários de esquerda, centrados na URSS. 

“O Mundo estava, então, dividido entre dois fortes polos de influência: os Estados Unidos e a União Soviética. Os povos colonizados começavam a reivindicar a sua libertação e a Alemanha deixava de ser um estado coeso, dando lugar a duas nações: a República Federal da Alemanha (Ocidental) e a República Democrática Alemã (leste)”, finaliza o professor. 

O especialista   

Ahmed Sameer El Khatib: graduado e pós-doutor em contabilidade pela Universidade de São Paulo. Professor e coordenador do Instituto de Finanças da FECAP e Professor Adjunto de Finanças da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). 

Notícias Relacionadas

SIGA A FECAP NAS REDES SOCIAIS

Quer saber mais sobre a FECAP?