fbpx

Auditoria no Terceiro Setor e de Uso de Recursos Públicos

| Online

Carga Horária: 15 horas/aula

Data: 28 de setembro à 30 de outubro

Valores: Alunos, ex-alunos FECAP R$ 172,50 Externos: R$ 345,00

Período de Inscrição: até 02 outubro - 10% de desconto para matrícula realizada até 02 outubro

Prof. Émerson Nogueira Sales

Sobre o curso

PÚBLICO-ALVO:

Profissionais interessados em adquirir capacitação diferenciada e de alto nível em auditoria do terceiro setor e de utilização de recursos públicos.

Os profissionais que já atuam em auditoria poderão atualizar e aprimorar seu conhecimento prático preexistente, avançando de forma consistente e alinhada com as melhores práticas, normas e legislação aplicável. Para os ingressantes e interessados na área de auditoria, o curso permitirá uma introdução ajustada às suas necessidades e com a sequência dos módulos o discente atingirá o alto nível de entendimento dos conteúdos do curso, capacitando-o a ingressar na auditoria, se relacionar com os processos que envolvem as atividades de auditoria, alavancando seu currículo e sua carreira.

Os profissionais que de alguma forma tem contato com a auditoria, seja como auditores ou auditados, poderão desenvolver o conhecimento e a capacitação necessária ao seu dia-a-dia e ao projeto de auditoria, permitindo a aplicação prática dos procedimentos de auditoria. Independentemente do nível hierárquico ou dos papéis exercidos pelo discente no seu ambiente de trabalho, ao final do curso ele terá capacitação para atuar nas auditorias mais complexas e nos diversos níveis hierárquicos do ambiente de auditoria.

CONDIÇÃO ESPECIAL

10% de desconto para matrícula realizada até 02 outubro

Conteúdo

O conteúdo desenvolvido apresenta a discussão prática e da vivência dos auditores, com conceitos fundamentais e procedimentos práticos, todo o arcabouço normativo e legal, atividades e exercícios que apresentam a realidade da auditoria, objetivando a capacitação do discente para a atuação nos processos de auditoria, da mesma forma que será capacitado para planejar, executar e controlar os processos de auditoria exercendo diversos papéis no conjunto de funções dos auditores.
Tal capacitação se dá desde a fundamentação inicial com o alicerce teórico e as atividades relacionadas a auditoria, levando em consideração as boas práticas de mercado, as normas e a legislação aplicável.
Durante o curso, por meio dos e-books, dos exemplos de casos reais e dos exercícios propostos, o discente deve adquirir e ampliar seus conhecimentos acerca do tema e isto possibilita a capacitação para que atue de forma independente e com alto grau de efetividade e eficiência, objetividade e capacidade conclusiva no cumprimento do seu papel como auditor, ou de um funcionário que atue ou que queira migrar para as áreas correlatas, tais como governança corporativa, gestão de riscos, controles internos e compliance, entre outras diversas áreas que compõem o emaranhado da gestão, tão carente de bons profissionais de auditoria.

• Estrutura do Terceiro Setor, transparência e accountability
• Os diferentes setores da sociedade
• O surgimento do 3º setor
• 3º Setor no Brasil e sua relevância social
• Transparência e accountability: Conceitos e importância para o setor
• Controles internos: Conceitos e seu papel dentro da Governança Corporativa
• A Governança Corporativa no 3º setor e suas responsabilidades
• COSO I : Publicações e relevância na aplicação dos controles internos
• ERM – Enterprice Risk Management – COSO II - Gestão de riscos inerentes
• INTOSAI: Controles Internos voltados ao Setor Público
• Auditoria Interna: Contratação, papel e responsabilidades
• A auditoria interna, suas responsabilidades e o Compliance
• Repasse e uso de recursos públicos e a prestação de contas ao ente público
• Principais fontes de recursos
• Decreto n. 3.100/1999 – OSCIP
• Lei n. 12.101/2009 – SEBAS
• Prestação de contas e a sua importância para o setor
• Tribunal de contas e os processos de revisão
• Relação do 3º setor com o Tribunal de Contas

Alves, M. A. (2002, julho). Terceiro setor: as origens do conceito. Anais do encontro da Assoc nacional de pós graduação e pesquisa em administração, Salvador, BA, Brasil, 26. Recuperado de http://www.ufjf.br/virgilio_oliveira/files/2014/10/01-b-Alves-2002.pdf

Assaf. A., Neto, Araújo, A. M. P., & Fregonesi, M. S. F. A. (2006). Gestão baseada em valor aplicada ao terceiro setor. Revista Contabilidade & Finanças, 17(spe), 105-118. Recuperado de http://www.journals.usp.br/rcf/article/view/34199

Attie, W. (2007). Auditoria Interna: (2a. ed.). São Paulo: Atlas.

Barragan, L. G. (2005). Controle interno: Diagnostico e adaptação das técnicas existentes para as entidades do terceiro setor. (Dissertação de Mestrado). Fundação Escola de Comércio Alvares Penteado – FECAP, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de: http://tede.fecap.br:8080/jspui/bitstream/tede/639/1/Luciana_Gavazzi_Barragan.pdf

Becker, I. (1980). Pequena história da civilização ocidental. (11a ed.). São Paulo: Cia. ed. Nacional

Carneiro, A. F., Oliveira, D. L., & Torres, L. C. (2011). Accountability e Prestação de Contas das Organizações do Terceiro Setor: Uma Abordagem à Relevância da Contabilidade. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 6(2), 90-105. Recuperado de http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-08/index.php/ufrj/article/viewFile/1206/1142

Carvalho, R. F., (2003). Um estudo sobre os conceitos, aplicações e responsabilidades dos controles internos. (Dissertação de mestrado). Fundação Escola de Comércio Alvares Penteado – FECAP, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://pergamum.fecap.br/biblioteca/imagens/000004/0000044C.pdf

Clark, G. O. (2001). Município em face do direito econômico. Belo Horizonte: Cia Del Rey

Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission - COSO. (2013). Internal Control — Integrated Framework (PWC, trad). Retrieved from: http://www.auditoria.mpu.mp.br/bases/legislacao/COSO-I -ICIF_2013_Sumario_Executi vo.pdf. (Obra original publicada em 1992)

Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission - COSO. (2007). Enterprise Risk Management: Integrating Framework. (PWC, trad) Retrieved from: https://www.coso.org/Documents/COSO-ERM-Executive-Summary-Portuguese.pdf (Obra original publicada em 2004)

Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission - COSO. (2017). Enterprise Risk Management: Enterprise Risk Management: Integrating with Strategy and Performance. (PWC, trad) Recuperado de https://www.coso.org/Documents/2017-COSO-ERM-Integrating-with-Strategy-and-Performance-Executive-Summary.pdf

Costa, D. P. (2005) Prestação de contas. In: Szazi, E. (Org.). Terceiro setor: temas polêmicos. São Paulo: 2005. p. 13-44

Drucker, P. F. (1997). Administração de organizações sem fins lucrativos: Princípios e práticas. (4a.ed.). São Paulo: Livraria Pioneira.

Etzioni, A. (1972). The untapped potential of the ‘Third Sector’. Business and society review, 1(1), 39-44. Recuperado de http://web.b.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer ?vid=4&sid=8e674773-2660-4e4d-b49e-3b78b16508c9%40pdc-v-sessmgr05

Falconer, A. P., Lucas, A., & Salamon, L. (1998). A emergência do terceiro setor–uma revolução associativa global. Revista de administração, 33(1), 5-11. Recuperado de http://www.spell.org.br/documentos/ver/18152/a-emergencia-do-terceiro-setor-----uma-revolucao-associativa-global

Farah, T. (2014). Entidades sociais respondem por 1,5% do PIB, diz estudo. Jornal O Globo. Recuperado de https://oglobo.globo.com/brasil/entidades-sociais-respondem-por-15-do-pib-diz-estudo-11887256

Fernandes, A. M., e Galvão, P. R. (2016). A Controladoria como ferramenta de gestão nas micro e pequenas empresas: um estudo da viabilidade e da relação custo benefício. Revista de Tecnologia Aplicada, 5(1). Recuperado de http://www.spell.org.br/documentos/ver/41352/a-controladoria-como-ferramenta-de-gestao-nas-m---
Hudson, M. (1999). Administrando organizações do Terceiro setor: O desafio de administrar sem receita. São Paulo: Makron books

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, (2017). Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. São Paulo: Autor. Disponível de: Acesso em: 01 ago. 2018.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2016). Guia das Melhores Práticas para Organizações do Terceiro Setor: Associações e Fundações. São Paulo: Autor. Recuperado dehttp://www.ibgc.org.br/userfiles/2014/files/GUIA_3SETOR_WEB.pdf

International Organization of Supreme Audit Institutions - INTOSAI, (2004). ISSAI GOV 9100 – Guidelines for internal Control Standards for the Public Sector. Aprovado no XVIII INCOSAI. Budapest, Hungria. Recuperado de http://www.issai.org/en_us/site-issai/issai-framework/INTOSAI-gov.htm

International Organization of Supreme Audit Institutions – INTOSAI, (2004) Guidelines for Internal Control Standards for the Public Sector – ISSAI 1900. Recuperado de http://www.INTOSAI.org/issai-executive-summaries/view/article/INTOSAI-gov-9100-guidelines-for-internal-control-standardsfor-the-public-sector.html> Acesso em: 10 fev. 2018.

Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. (2002). Institui o Código Civil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10406.htm#art2045

Lei n. 3.171, de 01 de janeiro de 1916. (1916) Código Civil dos Estados Unidos do Brasil. (Revogada pela Lei nº 10.406/2002). Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L3071.htm

Lei n. 91, de 28 de agosto de 1935. (1935) Determina regras pelas quais são as sociedades declaradas de utilidade publica. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1930-1949/L0091.htm
Letelier, L. (2013, junho 13). Carreira no Terceiro Setor. Revista Exame. Carreira-Você S/A. Recuperado de http://exame.abril.com.br/carreira/carreira-no-terceiro-setor/
Lima, A. A. P., (2019). Controles Internos no 3º setor: Um proposta de Framework para a Casa Durval Paiva (Dissertação de Mestrado). Centro Universitário FECAP, São Paulo, SP, Brasil.
Lugoboni, L. F., Zittei, M. V. M., Araújo, J. A. O., & D’Áuria F. S. (2016). Governança corporativa nas empresas familiares: as possibilidades de erros estratégicos devido à concentração de poder. Revista Brasileira de Contabilidade, (219), 22-35. Recuperado de http://rbc.cfc.org.br/index.php/rbc/article/view/1395/1000
Oliveira, M. C., & Linhares, J. S., (2007). A implantação de controle interno adequado às exigências da Lei Sarbanes-Oxley em empresas brasileiras - Um estudo de caso. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, 4(2). p.160-170. Recuperado de http://www.redalyc.org/html/3372/337228632007/
Pace, E. S. U., Basso, L. C., & Silva, R. D. (2004). O uso de indicadores de desempenho pelo terceiro setor. Encontro de estudos organizacionais, 3. Recuperado de http://www.lasociedadcivil.org/wp-content/uploads/2014/11/o_uso_de_indicadores.pdf
Peleias, I R, (2002) – Falando sobre Controle Interno – IOB – Temática Contábil e Balanços, São Paulo: IOB Thomson
Peleias, I. R., Ehrentreich, H. P., Silva, A. F., & Fernandes, F. C. (2017). Pesquisa sobre a percepção dos gestores de uma rede de empresas distribuidoras de um fabricante de autopeças sobre controles internos e gestão de riscos. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(1), 06-28. Recuperado de http://www.revistas.uneb.br/index.php/ financ/article/viewFile/2570/2024
Peters, M. R. S., (2004). Controladoria internacional,: Incluindo Sarbanes Oxley Act e USGAAP. São Paulo, DVS Editora
Piza, S. C. T., Parisi, C., Megliorini, E. & Gallo, M. F. (2013). A aderência das práticas contábeis das entidades do terceiro setor às normas brasileiras de contabilidade: um estudo multicasode entidades do município de São Paulo-SP. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17(3), 78-97. Recuperado de: https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/rcmccuerj/article/view /5346/3951
Portulhak, H., Vaz, P. V. C., Delay, A. J., & Pacheco, V. (2017). A qualidade da prestação de contas das entidades do terceiro setor: Uma análise a partir de sua relação com o comportamento dos doadores individuais. Enfoque Reflexão Contábil, 36(1). 45-63. Recuperado de http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Enfoque/article/view/31273/pdf
Resolução n.º 2016/NBCTA200(R1), de 05 de setembro de 2016. Altera NBC TA 200. dispõe sobre os objetivos gerais do auditor independente e a condução da auditoria em conformidade com normas de auditoria. Recuperado de http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2016/NBCTA200(R1)
Ribeiro, L. M. P., & Timóteo, A. C. (2012). A Adoção dos controles internos em uma organização do terceiro setor como sustentabilidade econômica: um estudo de caso em uma associação de Minas Gerais. Revista Contemporânea de Contabilidade, 9(17), 61-82. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/contabilidade/article /viewFile/2175-8069.2012v9n17p61/22269
Salimon, M. I, & Siqueira, M. V. S. (2013). Ideologia gerencialista e subjetividade do trabalhador no terceiro setor. Revista de Administração, 48(4), 643-657. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rausp/v48n4/02.pdf
Seibel, W. (1990). Government/third-sector relationship in a comparative perspective: the cases of France and West Germany. Voluntas: International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, 1(1), 42-60. Recuperado de https://link.springer.com/content/pdf/10. 1007/BF01398491.pdf
Silva, C. E. G. (2010). Gestão, legislação e fontes de recursos no terceiro setor brasileiro: uma perspectiva histórica. Revista de Administração Pública-RAP, 44(6). Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rap/v44n6/a03v44n6.pdf
Slomski, V., Rezende, A. J., Cruz, C. V. O. A., Olak, P. A., (2012). Contabilidade do terceiro setor (1a. ed.). São Paulo: Ed. Atlas, 2012.

Sobre o professor

Mestre em Ciências Contábeis (FECAP/SP). Coordenador da pós graduação em Auditoria e em Perícia. Professor e pesquisador nos programas de pós graduação lato sensu da FECAP(SP). Professor na pós graduação da UNISAL/Campinas(SP). Professor no programas de Graduação da FECAP(SP). Instrutor/Palestrante do CRC/SP em Perícia Contábil. Instrutor/Palestrante em programas de treinamentos in company. Perito contador judicial e extrajudicial com atuação nas áreas contábil, financeira e administração judicial. Experiência gerencial corporativa em Administração e Finanças na multinacional Xerox do Brasil (19 anos), com ênfase nas áreas Contábil, Administrativa e Financeira, Controladoria, Legal Collection, Controles Internos e Auditoria Interna. Experiência em gestão de projetos (lean six sigma).

Émerson Nogueira Sales

Compartilhe :

Receba tudo que rola no universo FECAP?

Ou