Conheça as 3 principais competências que líderes devem ter para a gestão de pessoas - FECAP

Conheça as 3 principais competências que líderes devem ter para a gestão de pessoas

Inteligência emocional, flexibilidade e resiliência são as três principais competências que...
Extensão | 14/12/2021
Compartilhe:

Inteligência emocional, flexibilidade e resiliência são as três principais competências que os líderes precisam desenvolver para ter sucesso na gestão de pessoas, principalmente neste momento de retomada das atividades presenciais. A avaliação é da professora da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) Daniela Marques Medeiros, que coordena o curso de extensão de Liderança e Gestão de Pessoas

A especialista explica que, com a alteração do modelo de trabalho para o home office durante a pandemia, muitos profissionais inevitavelmente mudaram comportamentos e desenvolveram outras habilidades para se adaptar ao novo ambiente laboral, entrando num estado de inércia. Agora, cabe aos gestores de equipes entender esse novo contexto para promover a reambientação eficiente dos colaboradores. 

“O ambiente é o primeiro nível da Pirâmide de Níveis Neurológicos de Robert Dilts. Quando mudamos de ambiente, nossos comportamentos mudam. Agora, os líderes precisam entender as demandas necessárias para quebrar a inércia do home office, fazendo uma análise de percepção do todo. E, para isso, serão necessárias essas três competências: inteligência emocional, flexibilidade e resiliência”. 

Para Daniela, a inteligência emocional é a mais importante das competências. Isso porque o líder emocionalmente inteligente faz não só a gestão da sua própria emoção, mas principalmente sabe reconhecer e administrar as emoções das pessoas da sua equipe. Já a flexibilidade é a competência que oferece opções para a tomada de decisão. “Quem é flexível consegue estabelecer maiores possibilidades de ação dentro de um universo reduzido, ou seja, tem mais chances de viabilizar resultados por meio de diferentes meios”, explica a especialista. 

A resiliência está relacionada com a capacidade de ressignificar e compreender aprendizados vividos, para que, em momentos de crise, o gestor saiba se levantar para começar de novo, retomando seus esforços. “As questões fundamentais em todo início de caminhada rumo ao desenvolvimento são saber o que são essas competências, entendendo seus pilares, e saber identificar em que ponto de desenvolvimento você está”. 

Estilos de liderança 

As três competências destacadas pela especialista também são de extrema importância para que o gestor atenda a uma das atuais demandas do mercado em relação aos líderes: saber transitar entre os diferentes estilos de liderança, de acordo com o contexto em que empresa e equipe se encontram. 

Isso porque cada tipo de líder atua de forma diferente para a solução dos diversos problemas que possam aparecer. O líder paternalista, por exemplo, consegue atender melhor um colaborador que precise de uma aproximação mais emotiva, no entanto, ele tem dificuldades em dizer não. Já o líder com postura mais agressiva pode assustar a equipe, no entanto, consegue alcançar objetivos mesmo em tempos de crise. Há ainda o líder democrático, que apesar de ouvir a opinião de todos, pode ter dificuldades para tomar uma decisão quando necessário. 

“A pandemia mudou muita coisa na vida das pessoas e na gestão de equipes. O que o mercado mais precisa é de líderes que saibam caminhar entre esses tipos de liderança para alcançar diferentes objetivos. Para isso, é preciso ter inteligência emocional para reconhecer as circunstâncias, flexibilidade para transitar entre os estilos e resiliência para retomar, caso a estratégia não dê certo”. 

Gestão de competências para a vida 

O desenvolvimento de competências associadas à liderança é importante até mesmo para os profissionais que não atuam ou não querem atuar como gestor de equipes. Segundo a professora Daniela, saber ter flexibilidade, inteligência emocional e resiliência é fundamental para o nosso desenvolvimento como pessoa, para que saibamos administrar recursos, pessoas e situações fora do ambiente de trabalho. 

“A ideia da liderança tem que sair desse estigma corporativo. Nesse sentido, o curso de Liderança e Gestão de Pessoas é de grande auxílio, pois ele olha para a pessoa, e não para o cargo dela; para o desenvolvimento de competências, e não para a profissão que ela escolheu”, explica a especialista. 

Curso de extensão 

O curso de extensão de Liderança e Gestão de Pessoas da FECAP conta com 30 horas de duração e é oferecido na modalidade online. Durante as aulas, o aluno terá contato com um estudo teórico sobre liderança, para que ele compreenda que todos podem desenvolver competências voltadas para a gestão de pessoas. 

Os participantes também aprenderão a desenvolver suas competências, principalmente em momentos de crise relacionados ao mundo VUCA, sigla em inglês para volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. “O curso tem como diferencial pensar no ser humano, e não na empresa, além de auxiliar no desenvolvimento de outras competências como networking, capacidade de comunicação e tantas outras, mas a partir do indivíduo”. 

As inscrições para o curso estão abertas e podem ser feitas no site da FECAP. Para garantir sua vaga e conhecer todo o conteúdo programático, clique aqui

A professora 

Doutoranda em Psicologia pela Unesp de Assis. Mestre em Relações Internacionais pela PUC/SP pelo Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais da UNESP/UNICAMP/PUC-SP San Tiago Dantas com pesquisa na área de Política Externa Brasileira. Pós-graduação em Gestão de Pessoas pela FECAP. Graduada em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.  

Autora do livro “Seu Maior Desafio é Você”. Sócia na All Excellence – Consultoria e Gestão Empresarial. Coach e Master Practitioner em Programação Neurolinguística. 

Notícias Relacionadas

SIGA A FECAP NAS REDES SOCIAIS

Quer saber mais sobre a FECAP?