Empreendedorismo: conheça 4 tipos, segundo professor da área - FECAP

Empreendedorismo: conheça 4 tipos, segundo professor da área

O empreendedor bem-sucedido é aquele que consegue compreender a existência de um exemplo de...
Imprensa | 03/06/2022
Compartilhe:

O empreendedor bem-sucedido é aquele que consegue compreender a existência de um exemplo de necessidade de mercado transformado em uma oportunidade, segundo especialista da FECAP 

O Empreendedorismo se diferencia dos demais campos da administração de empresas e das organizações. Mais do que empreender, o empreendedor é aquele que é capaz de desenvolver atitudes amplas e se transforma protagonistas do seu próprio negócio.  

Para o membro o professor e coordenador do Centro de Empreendedorismo da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) Edson Barbero, o verdadeiro empreendedor é aquele que é capaz de identificar problemas e as oportunidades, além de conseguir investir em recursos que alavanquem mudanças e proporcionem impactos positivos.  

“Empreender também envolve todas as demais áreas de negócios. A particularidade do empreendedorismo é que se trata de um processo de identificação, avaliação e exploração dê oportunidades no sentido de resolver problemas em mercados e sociedade”, opina. 

O professor vai mais além e diz que o empreendedor bem-sucedido é aquele que consegue compreender a existência de um exemplo de necessidade de mercado transformado em uma oportunidade.  

“O empreendedor desenvolve negócios, empresas no sentido de crescimento e depois leva essas soluções para o mercado e a sociedade”, justifica.   

No ponto de vista mais amplo, o professor ainda garante que o empreendedorismo não está associado apenas à abertura de um pequeno negócio. Mas também pode se dar em outros âmbitos como no âmbito social. 

Empreendedorismo social 

Empreendedorismo social refere-se aos atos criativos de entendimento de oportunidades, de organizações e de pessoas, que visam dar um impacto social específico e intencional. “São organizações que oferecem soluções notadamente escaláveis para problemas sociais. Em especial para a população de baixa renda”, argumenta.  

Nesse sentido, o empreendedorismo social refere-se às organizações que têm foco em espaços da sociedade não normalmente explorados por startup clássicas ou grandes corporações. Como por exemplo a baixa renda. Resumindo, são negócios desenhados para necessidades e características de populações menorizadas ou excluídas.  

A segunda característica importante é a intencionalidade, ou seja, são as organizações que possuem uma missão explícita de gerar impacto. Para se caracterizar como empreendedorismo, sobretudo, pensa-se na ideia de inovação e escala. Portanto, que a solução entregue à sociedade possa ter alcance, atingindo o maior número de pessoas possíveis, com diferentes contextos.  

Empreendedorismo sustentável  

Empreendedorismo sustentável pode ter dois sentidos. O primeiro deles refere-se a uma adjetivação a quase todas as empresas, que está ou não em operação. Isto é uma necessidade de pensar como os agentes econômicos impactam seu ambiente externo, ambiente natural e social. Portanto, em certo sentido, o empreendedorismo sustentável seriam todos os projetos de natureza original ao seu redor.  

Uma segunda concepção de empreendedorismo sustentável refere-se a startups e outras empresas que desenvolvem produtos especificamente voltados para melhorar as condições ambientais, sociais etc. 

“Para se tornar um empreendedor sustentável é necessário adotar algumas mudanças de hábito, como por exemplo, evitar desperdícios e investir em um consumo consciente”, comenta o professor. 

Empreendedorismo digital 

Empreendedorismo digital é uma maneira de desenvolver negócios, expandir oportunidades que se utilizam essencialmente de meios digitais, como a internet, plataforma de comercialização, inteligência artificial, entre outros, como fundamento dos negócios. 

“Hoje em dia, todos os negócios possuem características digitais. Desde o varejo, passando para o agronegócio. Vamos chamar, portanto, de empreendedorismo digital para a prática de pessoas e organizações que se baseiam essencialmente nas lógicas associadas à nova economia. Como exemplo destacamos os ‘youtuber’, aplicativos, sistemas de apoio à decisão, criptomoedas, entre outros. Isto é, a essência do negócio não mora na economia clássica, física, mas sim no universo virtual”. 

Intraempreendedorismo 

Intraempreendedorismo se refere ao ato de empreender dentro de uma organização, ou seja, os colaboradores utilizam suas habilidades empreendedoras dentro da empresa onde trabalham. 

Um funcionário intraempreendedor é aquele que não se limita a fazer somente o que lhe é delegado, mas busca dar ideias, resolver problemas e enxergar possibilidades de melhorias e de inovações dentro da empresa. 

Uma organização que abre espaço para o intraempreendedoríssimo se vê beneficiada de diversas maneiras. Ao mesmo tempo que os funcionários começam a se tornar mais motivados e engajados, a produtividade e desenvolvimento da empresa aumentam. 

O especialista: Edson Barbero é doutro e mestre em administração. É professor de Estratégia e Empreendedorismo e membro do Conselho Curador da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP). É especialista e estudioso em áreas como Estratégia Competitiva, Inteligência de Negócios e Marketing Estratégico. 

Notícias Relacionadas

SIGA A FECAP NAS REDES SOCIAIS

Quer saber mais sobre a FECAP?