Qualificação é fundamental para suprir vagas que sobram no setor de TI - FECAP

Qualificação é fundamental para suprir vagas que sobram no setor de TI

O Brasil é líder no mercado latino-americano de Tecnologia da Informação, com 44% de...
Graduação | 04/11/2021
Compartilhe :

O Brasil é líder no mercado latino-americano de Tecnologia da Informação, com 44% de participação, e o 9º no ranking mundial do setor, segundo pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes). Mas apesar do país ter demonstrado que tem vocação para as tecnologias, ainda há muitos gargalos para que o setor continue a crescer e passe a ser referência na área, entre eles a falta de profissionais qualificados.

“A falta de profissionais de TI no Brasil não é nova e já acontece há décadas”, avalia o coordenador do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), David de Oliveira Lemes. “O mercado demanda mais profissionais do que a quantidade formada anualmente pelas instituições de ensino”. 

De fato, o cenário atual de talentos é de déficit. O Brasil capacita 45 mil pessoas anualmente com perfil tecnológico. Por outro lado, será necessária a contratação de 70 mil pessoas por ano para suprir a demanda de 420 mil profissionais até 2024, segundo estudo realizado pela Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom).

Mas não basta apenas a formação superior, é preciso ter especialização. Ainda de acordo com o estudo da Brasscom, a demanda reprimida é 25% em Internet das Coisas, 11% em Segurança, 10% em Big Data, 6% em Nuvem e 2% em Inteligência Artificial. “A melhor forma de solucionar esta questão é com formação de qualidade, com foco em projetos acadêmicos alinhados com o mercado”, destaca Lemes. 

Desafios 

A falta de talentos não reflete apenas no número de vagas que sobram no mercado. Pesquisa recente da consultoria Gartner mostrou que um dos calcanhares de Aquiles para que as empresas adotem novas tecnologias é a escassez de profissionais. Ou seja, apesar de muitos negócios já terem entendido que apostar nas tecnologias é um diferencial competitivo, muitos têm receio de investir, pois não têm talentos para implantar essas inovações. 

Já do ponto de vista dos profissionais recém-formados, a escassez também traz desafios. Isso porque, para suprir suas demandas, as empresas têm procurado profissionais cada vez mais especializados e atualizados. “Ao sair da faculdade, os estudantes enfrentam muitos desafios. O primeiro deles é a atualização constante, ou seja, quem estuda hoje TI terá de estudar a vida toda, pois o setor de tecnologia se atualiza sempre”. 

Perspectivas para o setor 

As perspectivas de crescimento do setor já eram altas antes da pandemia, porém, essa nova realidade ampliou o cenário de digitalização em muitas empresas. Uma das tendências para os próximos anos é o incremento na área de segurança. “Hoje, a informação é o novo petróleo. E cada vez mais as empresas investem na área de segurança da informação”, destaca o professor. Ele avalia ainda que as áreas de Inteligência Artificial e Machine Learning também estarão em alta. 

Qualificação 

“Estudar sempre, desenvolver projetos práticos desde o primeiro momento, se manter sempre atualizado e apresentar seu progresso para o mundo via redes sociais é fundamental para quem quer começar na área”, orienta o coordenador. Para os interessados em aproveitar as oportunidades que o setor de TI oferece, o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da FECAP capacita os alunos para atuar em diversas frentes.  

Isso porque os estudantes desenvolvem um projeto prático por semestre, totalmente alinhado com as necessidades do mercado de trabalho. “Os alunos estudam diferentes tecnologias e, dessa forma, aprendem a superar as dificuldades em se desenvolver um projeto de TI. Esta é uma vantagem que fará nossas alunas e alunos largarem na frente”. 

Por estarem alinhados com a dinâmica do mercado, tanto do ponto de vista de conteúdo, quando de tecnologia, os projetos interdisciplinares semestrais são uma iniciativa acadêmica que coloca alunos, professores e o projeto do curso em constante atualização. 

Após dois anos de curso, os alunos da FECAP são capazes de atuar em projetos de transformação digital, desenvolvimento web, aplicativos mobile, internet das coisas, inteligência artificial, segurança da informação e na concepção, análise, projeto, gestão e implementação de sistemas de software e manutenção de sistemas de informação.  

Clique aqui para saber mais sobre o curso e conhecer a matriz curricular completa. 

Notícias Relacionadas

SIGA A FECAP NAS REDES SOCIAIS

Quer saber mais sobre a FECAP?